“Musicoterapia é a utilização da música e/ou seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) por um musicoterapeuta qualificado, com um cliente ou grupo, num processo para facilitar e promover a comunicação, relação, aprendizagem, mobilização, expressão, organização e outros objetivos terapêuticos relevantes, no sentido de alcançar necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas. A Musicoterapia objetiva desenvolver potenciais e/ou restabelecer funções do indivíduo para que ele/ela possa alcançar uma melhor integração intra e/ou interpessoal e consequentemente, uma melhor qualidade de vida, pela prevenção, reabilitação ou tratamento”

A Musicoterapia, sendo uma terapia autoexpressiva com forte atuação nas funções cognitivas e emocionais, contribui diretamente para o envelhecimento ativo.

Quando procurar um musicoterapeuta?

  • Distúrbios socioafetivos, em isolamento social com comprometimento afetivo – possibilidade de depressão e baixa estima ao enfrentar doenças;
  • Acometidos por processos demências – leve, moderado e severo;
  • Dificuldades na comunicação verbal (quadros afásicos – expressão e compreensão), fuga de ideias e falha sequencial do pensamento;
  • Dificuldade com relação a memória – imediata, recente e a remota;
  • Desorientação tempero-espacial;
  • Dificuldades de expressar seus sentimentos e emoções;
  • Sequelas motoras e sensoriais – deambulação arrastada, lentificada; hipertonia, linguagem lentificada;
  • Irregularidade rítmica – aceleração de andamento (quadros apráxicos – dificuldade de execução de sequências motoras complexas);
  • Tensão com contração muscular;
  • Irritabilidade – alteração de humor (passividade/agressividade);
  • Em geral – atrofia cerebral, deficiência sensorial, doença de Parkinson, Mal de Alzheimer e outras demências, depressão, amputados, sequelas de AVE, câncer, diabetes, doença cardíaca hipertensiva e tantas outras.
Musicoterapia